Voltar para Blog

Bruna Sufistinha

25/07/2022

Bruna Sufistinha

Ex garota de programa, acompanhante  em teresina de luxo e atriz pornô, assim é conhecida a Raquel Pacheco, cujo nome artístico é Bruna Sufistinha.
Bruna Sufistinha nasceu em Sorocaba, que após diversas tentativas de fazer um aborto, não conseguiu, sofreu um parto prematuro, decidindo por abandoná-la no hospital, que a encaminhou a um orfanato. Foi adotada por uma família paulistana de classe média alta. Em entrevistas, apontou que a descoberta da adoção foi um dos fatores decisivos para fugir de casa aos 17 anos, deixando uma carta de despedida. Também revelou, em entrevistas, ter sido uma criança e uma adolescente bastante depressiva, sempre se isolando socialmente, e que sofria muito bullying pelo seu jeito retraído de ser. Alega que, apesar de nunca ter lhe faltado bens materiais, e que gozava de boa educação em colégios particulares, não recebia muito carinho e atenção dos pais, ficando sempre em companhia da babá e das empregadas, e que sempre foi alvo de humilhações do irmão, que nunca aceitou o fato de seus pais terem-na adotado e o tirado do posto de filho único, e portanto único herdeiro. Além de tudo isto, a outra decisão que a levou a sair de casa foi o de não querer depender de ninguém e ganhar seu próprio dinheiro: Não queria esperar se formar em uma universidade para começar a trabalhar, como seus pais desejavam.

A garota de programa
Bruna Sufistinha se tornou garota de programa muito cedo, aos 18 anos, já teve sua primeira experiência como acompanhante de luxo tendo como cliente um homem de aparetimente 45anos, que naquela circunstancia apenas conversou com Bruna, logo trocaram mensagens e ali nascia o seu segundo encontro, nesse com a concunção carnal de fato. O homem deu uma quantia além do 
esperado para ela, então Raquel ficou mais entusiasmada com o trabalho da prostituição.
Logo foi ganhando fama, e resolveu abrir um blog, onde contava suas experiências diárias com seus clientes, alí foi o ponto de partica para ela se tornar bem conhecida, algo enovador surgia, um blog de uma garota de programa contando os  relatos do seu dia-a-dia como acompanhante de luxo.
Logo seus pais descobriram, e a expulsaram de casa, então, além de ser uma recém jovem, ela teve que aprender a cuidar de se mesma, e aprender que a vida de uma garota de programa também tem seus deveres.
Após sair da casa dos pais, alugou um apartamento onde atendia seus clientes, algo em torno de 10 clientes por dia, oque foi gerando uma receita tão quanto alta para uma menina da sua idade.
Durante esse período, morou nas ruas e passou necessidades. Não querendo continuar assim, e sem conseguir trabalho, viu o anúncio de um bordel nos classificados de jornal, e iniciou-se ali na prostituição. Seu nome, Raquel, foi considerado simples demais pela dona do estabelecimento, que sugeriu que ela escolhesse outro, e, sem pensar muito, escolheu Bruna. Nesta época, viajou até sua cidade natal para procurar informações sobre sua família biológica, quando, ao visitar o hospital em que nasceu, descobriu informações sobre seu nascimento, o que agravou suas crises de depressão. Com o tempo, para suportar a dor e a humilhação de estar vivenciando uma vida solitária e difícil, tornou-se usuária de bebidas alcoólicas, LSD, cannabis e cocaína. O irmão descobriu sua nova vida e contou para a família, motivo pelo qual, até hoje, eles não falam com Bruna, o que ainda a deixa muito mal.[5] Atendia seus clientes – em média quatro por dia - segundo ela mesma declarou no blog e no livro – e também tornou público que, no começo, trabalhou em um privê de péssima qualidade, porém, com os anos, e guardando dinheiro, iniciou tratamento psicoterápico para deixar as drogas e o álcool, obtendo êxito, e assim acabou conseguindo sair daquele privê, subiu de nível, alugando seu próprio apartamento em um bairro nobre de São Paulo, onde começou a atender seus clientes, novos e antigos. Foram quatro anos de atividade, onde ela afirmou ter feito em torno de 5 mil programas com homens, mulheres e casais. Nesta época, sentindo-se sozinha, passou a entreter-se em seu tempo livre escrevendo todas as suas experiências sexuais em um blog, uma espécie de diário virtual, contando sobre seu dia-a-dia, além das intimidades sexuais, tanto dela quanto de seus clientes, dando inclusive notas de zero a dez para o desempenho dos rapazes, sempre mantendo o anonimato deles. Um dia descobriu, através de suas colegas de profissão do primeiro cabaré em que trabalhou, que os clientes viviam procurando-na, e que sempre perguntavam onde estava a Bruna, aquela menina com cara de surfistinha. Gostando desta alcunha, Raquel, até então só conhecida como Bruna, passou a se auto intitular como Bruna Surfistinha, fazendo mais sucesso na internet, e arrecadando cada vez mais dinheiro e clientes.

Inscreva-se e receba nossas novidades em seu e-mail!